Resumo 5#-Didascalicon – A Arte de Ler-Parte 3(Livro IV)

hughofstvictor

LIVRO IV

[Capítulo 1-Sobre o estudo das sagradas escrituras]

Nem todos os escritos que falam sobre Deus podem ser considerados divinos, como exemplo temos os discursos dos filósofos pagãos muitas vezes misturam verdades e falsidades.

As escrituras sagradas são aquelas que a autoridade da igreja conservou e adicionou ao número dos livros divinos. Além disso,existem obras que são uteis ao bom convencimento divino que não foram reconhecidos pela autoridade da igreja.

[Capítulo 2-Sobre a ordem e o número dos livros]

Trata sobre a divisão das sagradas escrituras.

slide1.jpg

 Antigo testamento

Lei: Torá, subdividida nos cinco livros do Pentateuco.

Profetas: Contém oito volumes:

-Josué (Josué bem nun)

– Juízes (Sophtim)

-Samuel (1º e 2º reis)

-3º e 4º (Malachim)

-Isaías

-Jeremias

-Ezequiel

-O livro dos 12 profetas (Thareasra)

Hagiógrafos:

-Jó

-Davi

-Provérbios (Masloth)

– Eclesiastes (Coeleth)

Cântico dos cânticos (Sira Syrin)

-Daniel

-Crônicas (Dabrehaimin)

-Esdras

-Ester

Outros: Judite, Tobias e Macabeus.

Novo testamento

Evangelho: Mateus, Marcos, Lucas e João.

Apóstolos: Cartas de Paulo, cartas canônicas, apocalipse e atos dos apóstolos.

Padres: São os escritos dos santos padres e doutores da igreja como Jerônimo, Agostinho, Gregório, Ambrosio, Isidoro, Orígenes, Beda, etc…

[Capítulo 3-Sobre os autores de livros divinos]

Pentateuco: Moisés.

Josué: O próprio.

Juízes: Samuel.

Malaquias:Jeremias.

Isaías,Jeremias e Ezequiel:Os próprios.

Profetas menores: Os próprios.

Jó:Autoria controvertida.

Salmos:Davi com edição de Esdras (deu ordem e título aos salmos).

Parábolas,Eclesiastes e cântico dos cânticos:Salomão.

Livro de Esdras:O próprio com sermões de Neemias.

 Ester:Esdras.

Sabedoria: Atribuída ao grego Fílon.

Judite,Tobias e Macabeus:Autores desconhecidos.

[Capítulo 4-O que é uma biblioteca?]

A palavra biblioteca é de origem grega:

biblio(βιβλίο) significa livro e teca ( ϑήκη) significa depósito.

[Capítulo 5-Sobre os interpretes]

Os tradutores (interpretes) das Sagradas Escrituras foram:

Primeiramente os setenta (Septuaginta).a Segunda ,terceira e quarta tradução foram realizadas por Áquila,que era judeu e por Símaco e Teodósião ,Hereges ebionitas.

 

[Capítulo 6-Sobre os autores do novo testamento]

Os Santos Evangelhos

Os santos padres receberam com autoridade somente quatro evangelhos:

Mateus: O primeiro evangelho,foi escrito em hebraico.

Marcos:O segundo evangelho,foi escrito em grego.

Lucas:É o terceiro evangelho e o mais culto de todos,foi escrito ao bispo Teófilo.

João:O quarto evangelho.

 

Cartas Paulinas

Compostas de:

-10 cartas eclesiais.

-4 cartas direcionadas a pessoas.

-7 cartas canônicas.

[Capítulo 7-Outros escritos são apócrifos,mais o que de fato significa ‘’apócrifo’’?]

Os apócrifos possuem algumas características próprias:Apresentam um sentido dúbio,possuem uma origem oculta, e alegam ser de autoria de profetas ou apóstolos.

[Capítulo 8 – O significado das palavras dos livros sagrados]

Esse capítulo apresenta uma breve explicação dos nomes dos 24 livros do antigo testamento.

[Capítulo 9-Sobre o novo testamento]

Podemos nos referir ao novo testamento como ‘’evangelhos’’ de um modo geral,de modo análogo se refere com ‘’Escritura’’ os escritos no antigo testamento.

[Capítulo 10-Sobre os cânones dos evangelhos]

Os cânones relacionam o que é comum nos quatro evangelhos.Surgiu a partir do trabalho de Amônio de Alexandria e de Eusébio de Cesaréia.

[Capítulo 11-Sobre os cânones dos concílios]

Os cânones se iniciaram com Constantino,pois, a faculdade de ensinar a plebe era ínfima e reunir os bispos era difícil em função das perseguições.nesse contexto surgem diversas heresias.

Com a liberação de Constantino ouve a possibilidade dos cristãos se reunirem e nesse contexto ocorreu o concilio de Niceia.

[Capítulo 12-São quatro,os principais sínodos]

Nicéia:Ocorreu no período de Constantino.neste santo sínodo foi condenado o arianismo e definida a consubstancialidade de Deus pai e Deus filho.

Constantinopla:Esse concílio ocorreu durante o império de Teodoro o grande.Condenação a Macedônio,que negava a consubstancialidade de Deus pai e Deus espírito santo.

Éfeso: Condenação ao nestorianismo.  

Calcedônia:Condenação ao bispo de Eutiques de Constantinopla.Este concilio ainda afirmou que Cristo nasceu da virgem Maria e é verdadeiro deus e verdadeiro homem.

[Capítulo 13-Os que fundaram bibliotecas]

Os fundadores de bibliotecas foram:Pânfilo ,o mártir,Jerônimo e Genádio.

[Capítulo 14-Quais escrituras são autênticas]

Discorre sobre as escrituras e sua autenticidade.

[Capítulo 15-Quais são os livros apócrifos]

Trata-se apenas de uma lista contendo os livros apócrifos conhecidos .

[Capítulo 16-Certas Etimologias pertinente aos leitores]

Definição de alguns termos como código, livro, volume, pergaminho, homilia, etc..

Resumo 5#-Didascalicon – A Arte de Ler-Parte 2(Livro III)

hugh20of20saint20victor_0

 

[Livro III]

 

[Capítulo 1- Sobre a ordem e o método que devemos seguir na leitura e na disciplina ]

Neste capítulo o autor retoma as divisões da filosofia em teórica,pratica,mecânica e lógica e suas divisões.

 

[Capítulo 2- Sobre os autores das artes ]

Neste capítulo Hugo de são Victor apresenta o nome de autores importantes em cada uma das áreas da filosofia,geralmente autores que fundaram ou ampliaram a disciplina.

 

Teologia:Lino,Varro e João Escoto.

Física:Tales de mileto.

Matemática:Pitágoras.

Música:Pitágoras.

Geometria:Euclides e Erastóstenes.

Astronomia:Cam(Filho de Noé).

Ética:Sócrates.

Mecânica:Hesíodo Ascreu e Demócrito.

Agricultura:Magno cartaginês e Cato.

Lã:Minerva,Isis.

Guerra:rei dos assírios.

Navios: pelagios.

Medicina:Apolo,Hipocrates.

Teatro:os Lídios.

 

[Capítulo 3- Quais as artes que devem ser lidas preferencialmente? ]

Preferencialmente devem ser lidas as sete artes liberais,pois são como que instrumentos e treinamento pelo qual se prepara o caminho para o espírito alcançar o conhecimento da verdade filosófica.

 

[Capítulo 4- Sobre os dois gêneros de escritos]

São dois os gêneros de escritos:as artes e o complemento das artes.

As artes são subordinadas a filosofia e possuem matéria relacionada com alguma arte da filosofia.O complemento das artes apenas seguem a filosofia,possuindo conteúdos diferentes dos da filosofia.

 

[Capítulo 5-A função que tem que ser atribuída a cada uma das artes ]

 

Hugo critica o erro daqueles que ,lendo o que deveriam ,não sabem atribuir a cada arte o que lhe cabe,e se utilizam de todos o conhecimentos de modo singular.

Em qualquer conhecimento deve-se distinguir como se deve agir no desenvolvimento e educação da arte,bem como o modo de aplicar os fundamentos de uma arte em outras.

O ensino tem a necessidade de ser objetivo,evitando afastar-se do intuito  principal da questão.

 

[Capítulo 6-O que é necessário ao estudo]

 

Elementos necessários ao estudo:

– Natureza:São as qualidades naturais do estudante como ouvir o que é pertinente ao estudo e reter na memória.

-Exercício:Trabalho continuo e constante na educação dos sentidos naturais.

-Disciplina:Se dá quando vivemos com louvor,compomos os bons costumes com o conhecimento.

 

[Capítulo 7-Do que se trata o engenho natural ]

O engenho natural é uma força que procura a sabedoria.são dois os mecanismos do engenho:a leitura e a meditação.

O engenho e a memória são elementos necessários ao estudo e a disciplina.

 

[Capítulo 8-Sobre a ordem da leitura]

A ordem das leituras devem ser consideradas do seguinte modo:

-Na própria disciplina:gramática é mais antiga que a dialética.

-Nos livros:conforme a ordem dos mesmos.

-Na narração de uma série continua.

A exposição de um texto se dá em três níveis e deve ser feita nessa ordem:

1º -A frase :É a ordenação congruente das palavras.

2º -Sentido:Significado fácil obtido a primeira leitura.

3º -Sentença:Compreensão mais profunda,na qual é necessária a interpretação.

 

 

[Capítulo 9-Sobre o modo de ler]

 

O modo de ler se dá pela divisão,saindo do universal para o particular.

Deve-se começar pelas coisas mais conhecidas e pela divisão investigar a natureza do objeto.

 

 

[Capítulo 10-Sobre a meditação ]       

A meditação é cogitação frequente,seguida da investigação das causas e origens das coisas.Está inicialmente amparada na leitura ,de modo que esta é o principio da doutrina,enquanto a meditação é sua consumação.

 

 

[Capítulo 11-Sobre a memória]

A memória guarda e computa informações descobertas pelo engenho humano.É necessária reduzir a informação a um resumo breve das coisas investigadas pois o conhecimento depende dessa memorização dos princípios.

 

 

[Capítulo 12-Sobre Disciplina]

Esse capitulo está sintetizado neste trecho:’’O espírito humilde –disse-me– deve se pautar   no esforço de querer ,na vida quieta,no exercício tácito,na pobreza e em terra estrangeira.’’

 

[Capítulo 13-Sobre a humildade]

Há três princípios para o aprendizado da humildade:

-Nenhum escrito deve ser considerado inútil .

-Ninguém deve ter vergonha para aprender .

-Ao se alcançar o conhecimento não se deve desprezar os outros.

 

[Capítulo 14-Sobre o estudo da pesquisa ]

O autor exalta os feitos dos antigos pelo amor a sabedoria e tece elogios aqueles que fizeram grandes sacrifícios por amor a sabedoria,co eremitas que abandonaram tudo em prol da contemplação.

 

 

[Capítulos 15 a 19 –Sobre os quatro preceitos restantes ]

O silêncio:Interior e exterior como parte da disciplina moral.

A investigação:É referente ao exercício e difere da pesquisa  pois,enquanto esta relaciona-se com a insistência para o trabalho,a investigação refere-se ao cuidado com a meditação.

A frugalidade:Evitar buscar o supérfluo.

O exílio:Como condição propícia para o exercício do homem.

 

Resumo 5#-Didascalicon – A Arte de Ler-Parte 1(Livros I e II)

didascalicon

Sinopse*

“É principalmente por dois instrumentos que alguém adquire o conhecimento: a leitura e a meditação. Observando ambos, notamos que é a leitura que vem em primeiro lugar na instrução, e justamente por isto este livro que segue trata dos preceitos e regras para a boa leitura.
De pronto, afirmo o seguinte: são três, os preceitos mais necessários para a arte de ler: o primeiro preceito, ‘que saibamos previamente o que devemos ler’. O segundo:

‘a ordem a seguir durante a leitura, isto é, qual o primeiro texto a ser destrinchado, qual o segundo e assim por diante’. E o terceiro preceito: ‘como devemos ler’.
[…]
Mas, para que possamos saber o que devemos ler, e, pelo menos, o que principalmente devemos ler, na primeira parte deste texto há a enumeração da origem de todas as artes. Em seguida, expomos a descrição e a distribuição delas, isto é, de que modo uma arte contém a outra, ou como uma está contida em outra e assim por diante […]”.

Resumo 

[Livro 1]

[capítulo 3-A tríplice potência da alma]

A primeira potência é responsável pelo crescimento e alimentação(nutrição).

é característica dos vegetais e das árvores .

A Segunda potência é a responsável pela captação de percepções sensíveis e julgamento,está condicionada a primeira potência.

A terceira potência é a razão, utiliza-se das duas anteriores.

 

[capítulo 4-Quais são os objetos pertinentes a filosofia?]

A filosofia é a disciplina investigadora plena de todas as coisas humanas e das razões divinas.

 

[capítulo 6-Sobre as três espécies de coisas]

Eternas: não possuem princípio e nem fim, nelas o ser corresponde a essência. Ex:Deus.

Perpetuas: Possuem principio mas não fim.

Temporárias:Com início e fim.

 

[capítulo 9-As três obras]

De Deus: Cria o que antes não existia.

Da Natureza

Dos Artífices:imitam a obra da natureza unindo os elementos separados ou separando os unidos.

 

 

[Livro 2]

Esse livro pretende expor as divisões da filosofia  em teórica,prática ,mecânica e lógica bem como suas subdivisões.

Slide1 

  

[Teórica]

Compreende a teologia a física e a matemática,está ultima divide-se em aritmética,música,geometria,e astronomia.

A teologia compõe-se da especulação sobre Deus,sobre a imortalidade da alma e da indagação sobre a verdadeira filosofia.discursa sobre a natureza de Deus e das criaturas espirituais.

A física considera a causa das coisas a partir da observação dos seus efeitos.pode ser chamada também de fisiologia (discurso acerca da natureza).algumas vezes pode ser tomada como equivalente a teoria .

A matemática pode ser chamada também de ciência doutrinária. se ocupa da quantidade abstrata,do que é conhecido pelo raciocínio.trabalha com base na abstração e pela separação do intelecto da matéria.

A matemática é dividida em aritmética(trata da qualidade especial dos números),musica,geometria(medida da terra,refere-se a grandeza imóvel), e astronomia(refere-se a grandeza móvel dos astros).

 

[Prática]

A prática pode ser dividida em :solitária,privada e pública:

A solitária é a que permite-se e estimula-se a acrescer –se de virtudes,cabendo ao individuo.

A privada diz respeito a distribuição moderada de atribuições e deveres entre cada um dos membros de uma família,sendo essa responsabilidade do pai de família.

A pública:Diz respeito a coisa pública e o seu cuidado ,ficando a cargo dos administradores das cidades.

 

slide2.jpg

 

 [Mecânica ]

Trata sobre as obras humanas e é dividida em 7 artes :a arte da lã,das armas,da navegação,da agricultura,caça,da medicina e do teatro.

 

[Lógica ]

A lógica por suas vez divide-se em gramática e argumentação. A argumentação se divide em sofistica, demonstrável e provável (dialética ou retórica).

 

Slide3

 

 

 

 

 

*sinopse retirada do site da vide editorial :http://videeditorial.com.br/didascalicon-a-arte-de-ler

 

 

 

 

 

Resumo 4#-A Poética-Aristóteles

10c5515f-81dd-451f-8747-c90c46081ce8

 

Sinopse*

Tão concisa quanto essencial, a Poética de Aristóteles (384-322 a.C.), o primeiro e mais importante tratado sobre as formas literárias, cênicas e narrativas da tradição ocidental, não tem deixado de ser lido, comentado e diversamente interpretado ao longo de seus 23 séculos de existência. Em capítulos breves, Aristóteles discorre sobre tópicos centrais da composição poética, como verossimilhança, unidade da obra e diferenciação entre composição poética e narrativa histórica, tirando seus exemplos de Homero e outros autores. A presente tradução de Paulo Pinheiro, professor de Estética e Filosofia, rigorosamente amparada em notas e atenta às pesquisas mais recentes, faz reviver o texto original de maneira clara e profunda, numa edição bilíngue voltada tanto para estudantes como para leitores já iniciados na matéria.

Resumo

1.O livro trata da natureza e das espécies de poesia,a poesia como arte de imitar por diferentes aspectos quanto ao modo,objeto e o meio.

2.Os imitadores podem imitar homens melhores,piores ou iguais a nós.

3.As duas causas que parecem dar origem a poesia:i)Ao homem é natural imitar desde a infância)Todos os homens sentem prazer em imitar.

4.A comédia é a imitação de gentes inferiores,a poesia épica e a tragédia tem em comum o fato de retratar homens superiores.

5.A tragédia  é a representação de uma ação elevada,em linguagem adornada,com atores atuando e não narrando e que,despertando a piedade e temor,tem por resultado a catarse dessas emoções.

6.Os elementos que compõem a tragedia são seis:fábula,caracteres,falas,ideias,espetáculo e canto.

7.O poeta em sua obra conta não o que aconteceu,mais o que poderia vir a acontecer.

8.A poesia atua em sentido universal ,enquanto a historia refere-se ao particular.

9.Diferença entre fábulas simples e complexas:Simples é a ação que,de modo uno e coerente,produz mudança na sorte sem que haja peripécia ou reconhecimento,complexa é quando ocorre com peripécia ou reconhecimento,ou ambas.

10.As situações que devem ser buscadas e as que precisam ser evitadas para atingir o objetivo da tragédia.

11.Dos eventos em uma fábula que inspiram temor e/ou compaixão.

12.O carácter: devem ser bons,apropriados com semelhança e coerência.

13.Quais os tipos de reconhecimentos.

14.Como devem ser as falas,gestos e argumentos(uma linha geral com episodio curtos)

15.A linguagem e as idéias.

16.As partes da linguagem:letra,sílaba,conectivo,articulação,nome,verbo,artigo,flexão e frase.os tipos de nomes e as metáforas.

17.A epopeia.Diferenças das narrativas históricas e sua semelhanças com a tragédia.

18.A epopeia e a tragédia se diferenciam quanto a extensão e métrica.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Resumo 3#-O Ente e a Essência-Sto. Tomás de Aquino

oenteeaessencia-500x500

Sinopse*

Santo Tomás considera que todo conhecimento começa com a experiência sensível, sobre a qual podem ser desdobrados vários graus de abstração. Também o conhecimento que se tenha de Deus é conhecido a partir de seus efeitos.

 

[Proêmio]

O  ente e a essência são o que primeiro se concebe na inteligência.Deve-se primeiro definir esses termos e como eles se relacionam com o gênero,a espécie e a diferença .Inicia-se o estudo a partir do conceito de ente,para então em seguida chegar ao conceito de essência.

[Capítulo 1]

O ente pode ser tomado em duas acepções:na primeira o ente se divide nas 10 categorias do ser e acrescentam algo a coisa.Tomado nesta acepção o ente significa a substancia de alguma coisa.

O ente tomado na segunda acepção representa um proposição afirmativa,sem no entanto acrescentar algo a coisa.

A essência ou quididade é inteligível e sinônimo de forma e natureza .É a essência que determina o gênero e espécie .

 [Capítulo 2]

Analise das substâncias compostas (forma e matéria) a fim de chegar posteriormente a analise da substancia simples,constituída apenas de forma. A essência compreende forma e matéria,ou seja,o que é composto de forma e matéria,porém só a forma é a causa da essência e a matéria se entende como o principio da individualidade.

A matéria pode ser signada (particular e concreta) ou não signada (Universal e abstrata).

[Capítulo 3]

A definição de homem em geral e deste homem em especial só difere pelo signado e não signado, gênero e a espécie também se diferenciam  desse modo.

[Capítulo 4]

Relaçao entre os conceitos de essência e os de gênero espécie e diferença.

 [Capítulo 5]

Nesse capitulo o filósofo discorre sobre de que maneira a essência se encontra nas substancias separadas:alma,inteligência e na causa primeira.Na causa primeira a quididade é o próprio ser.

                        Diferença entre substância simples e substância composta

 

Substância simples                                                             Substância composta
 

-Possui forma

 

-Pode ser tomado só no seu todo

 

 

-Possui forma e matéria

 

-Pode ser tomado só no todo ou como parte

 

[Capítulo 6]

A essência pode encontrar-se nas substâncias de três modos:

-Deus,cuja essência é igual a própria existência.

-Substâncias intelectuais e sem matéria cuja essência é diferente da própria existência.

–  Substâncias  com forma e matéria.

[Capítulo 7]

Neste capítulo Aristóteles discorre de que maneira a essência se encontra nos acidentes.

 

 

 

*Retirado do site da editora ecclesiae.

Resumo 2#-DA ALMA – DE ANIMA-PARTE 2

[ Livro II]

[1. Definição de alma: Alma substância e primeiro ato]

Investigação sobre a definição de alma .alma como ato e substância.A alma é o primeiro ato natural de um corpo natural que possui vida em potência .

 [2. Definição de alma: Aquilo pelo qual vivemos]

O animado distingui-se do inanimado por viver.A alma é o principio das faculdades e se define por elas.Alma é aquilo pelo qual vivemos,percepcionamos e discorremos.

[3. Definição da alma pelas suas faculdades: As faculdades da alma]

A alma possui cinco faculdades:nutritiva,perceptiva,desiderativa,de deslocamento e discursiva.

[4. Definição da alma pelas suas faculdades: A faculdade nutritiva]

A faculdade nutritiva compreende também a reprodução,é a mais comum das faculdades da alma.A alma é a causa e o principio do corpo que vive.Os corpos naturais são instrumentos da alma e a tem por fim.A alma é a causa do ente crescer e se alimentar,o alimento preserva a substancia do ente animado.A alma primária é aquilo pelo qual o ser se alimenta.

[5. A sensibilidade: Sensação]

A percepção sensorial é dada quando o ser é movido / alterado,esta faculdade existe apenas em potência e portanto tem de ser movida por um agente em ato.A diferença entre a percepção em ato e a percepção em potência.

[6. A sensibilidade: As três acepções do sensível]

Exposição das acepções de «sensível» por si mesmo (próprio de cada sentido, comum a todos os sentidos) e por acidente.

[7. A sensibilidade: A visão e o seu objeto]

O visível como objeto da visão. A cor e a luz. O envolvimento da luz na visão. O ver como afecção sofrida pelo órgão sensorial por ação de um intermediário; suas qualidade e função.

[8. A sensibilidade: A audição e o seu objeto; a voz]

Diferença entre sons em atividade e em potência.Os matérias podem ou não possuir som.O som em atividade é sempre fruto de um impacto contra algo,é sempre produzido por um golpe.Aquilo que é capaz de produzir o som é aquilo que é capaz de mover  o ar compacto.

[9. A sensibilidade: O cheiro e o seu objeto]

A dificuldade na definição do olfato.O homem como tendo um olfato pouco apurado.O olfato seria análogo ao paladar e atuaria por meio de um intermediário (água ou ar).Análise da forma como o homem e o animal percebe os cheiros.

[10. A sensibilidade: O paladar e o seu objeto]

O sabor não é percebido por nenhum intermediário  e está relacionado com o que é úmido,deste modo o órgão do paladar deve ser úmido em potência(capaz de se umidificar).As espécies dos contrários são opostos simples(exemplo:doce e salgado).

[11. A sensibilidade: O tato e o seu objeto]

As dificuldades no estudo do tato:se trata de vários sentidos ou um só?qual é o órgão sensorial do tato?Aristóteles sugere a existência de uma membrana de ar congenitamente ligada a carne,um único órgão capaz de percepcionar os sentidos ,porém em seguida afirma que os órgãos sensoriais são diferentes uns dos outros.O corpo como intermediário do tato,percepcionamos tudo através de um meio.

[12. A sensibilidade: A sensibilidade em geral: o sentido]

Sentido é aquilo capaz de receber formas sensíveis sem a matéria,Aristóteles levanta ainda outras questões sobre a sensibilidade.

[Livro III]

A sensibilidade. Faculdades da alma relacionadas com o pensamento. A faculdade do movimento. Faculdade nutritiva, sensibilidade do animal.

Resumo 2#-DA ALMA – DE ANIMA-PARTE 1

150736_da-alma-de-anima-577992_l2

                                    Sinopse 

O objetivo de Aristóteles nesta obra é analisar os principais problemas respeitantes à alma, que é o princípio vital de todo e qualquer ser vivo. O livro I consiste em uma introdução e contextualização do tema abordado; o livro II apresenta análises sobre a relação entre alma e corpo, as faculdades da alma, nutrição e sensação; no livro III Aristóteles discute a imaginação e o pensamento, além das relações entre sensação e intelecto.

 

[ Livro I]

[1. A alma como objeto de investigação]

Aristóteles  discorre sobre a metodologia a ser utilizada na investigação da alma e levanta algumas questões a serem investigadas ,como por exemplo:A alma pertence a que gênero?é substancia ou acidente?há mais de um tipo de alma?há partes na alma?

[2.. A investigação sobre a alma Doutrinas legada pelos antecessores.Conhecimento e Movimento.]

Analise da opinião de seus antecessores sobre a alma e suas características :movimento e perceptividade.A identificação da alma com os princípios.

[3. A investigação da alma: doutrinas legadas pelos antecessores:Movimento da alma.]

Analise sobre o movimento da alma .os quatro tipos de movimento deslocação, alteração, perecimento e crescimento .refutação da hipótese que a alma pode mover a si mesma .

[4.A investigação da alma: doutrinas legadas pelos antecessores: Alma como harmonia e número]

Demonstração de como a alma não pode ser harmonia ou composição.

 

[5.A investigação da alma: doutrinas legadas pelos antecessores: Continuação; alma composta de elementos]

Continuação sobre a alma número.

Definição de alma –Concepções mais comuns:O que tem capacidade de imprimir movimento,de mover por si mesmo ,de todos os corpos o mais incorpóreo.Refutação da alma composta por elementos que reconhecem seu semelhante.Analise e refutação da concepção de tales sobre a alma.se há na alma divisão ou unidade.