Resumo 7#-Tratado de Filosofia-Tomo I (Lógica e Cosmologia)-Regis Jolivet-LOGICA MAIOR (Parte 3)

LÓGICA MAIOR

A lógica maior considera a matéria do conhecimento e determina os caminhos a seguir para chegar segura e rapidamente a verdade.

Introduz a noção de verdade,das condições que permitem a inteligência considera-la como certa(conforme as coisas),estuda os sofismas,que são quando o falso se apresenta com a aparência de verdade.

Estuda também a metodologia em geral e das ciências particulares.

 

Divisão da lógica material

A lógica maior divide-se em:

a)Condições de certeza-método em geral:Além dos processos de demonstração cientifica,análise,síntese,noção de ciência e das ciências.

b)Os diferentes métodos

 

CAPÍTULO 1: CONDIÇÕES DE CERTEZA

Art.I-Verdade e erro

Verdade

A verdade pode ser classificada como verdade ontológica ou lógica.

Verdade ontológica:É o ser das coisas.As coisas são verdadeiras a medida que estão de acordo com as ideias as quais foram feitas.

Verdade lógica:É a conformidade da inteligência ás coisas,ou seja a verdade ontológica.

A verdade lógica só existe no juízo,pois afirma uma relação de conveniência ou não conveniência.Ex:’’Este ouro é puro’’ é uma verdade lógica, enquanto se falarmos apenas ‘’ouro puro’’não exprimimos nem verdade nem erro.

 

Definições subjetivistas de verdade

Alguns autores consideram a verdade como acordo do pensamento consigo mesmo.

a)Definição cartesiana:Define a verdade como a clareza e distinção dá ideia que temos do objeto.

Objeção:É possível ter ideias claras e distintas e não serem verdadeiras ou falsas.Assim serão apenas se colocadas em um juízo.

Diversos estados da inteligência em presença da verdade

A.A ignorância

É um estado que consiste na ausência de qualquer conhecimento relativamente a um objeito.

A ignorância pode ser:

a)Vencível ou invencível:conforme a nossa capacidade ou não de vencê-la.

b)Culpável ou desculpável:conforme seja ou não nosso dever fazê-la desaparecer.

B.A dúvida

Estado de equilibro entre a afirmação e a negação.

Pode ser:

a)Expontânea-abstenção da inteligência devido a falta de exame.

b)Refletida-Decorrente do exame das razões pró e contra.

c)Metódica-Suspensão provisória do assentimento,afim de controlar-lhe o valor.

d)Universal-Consiste em tomar toda asserção por incerta.

C.A opinião

É o estado de inteligência que afirma com medo de enganar-se.Difere da dúvida pois na opinião afirma sem ter eliminada todas as razões para negar.

O valor da opinião depende da probabilidade das razoes que a fundamentam.

 

D.Certeza ou evidência

É o estado da inteligência que consiste na adesão firme a uma verdade conhecida,sem temor de enganar-se.É fundamentada pela certeza.

Divisão da certeza

Quanto ao fundamento

a)Metafisica(ou racional):Baseada sobre a essência das coisas,de modo que a asserção contraditória é inconcebível e absurda.Ex:’’O todo é maior que a parte’’.

b)Física(ou empírica):Baseada sobre a experiência ou leis da natureza material.A contraditória é falsa mais não absurda ou inconcebível.Ex:’’O metal é condutor de eletricidade’’.

c)Moral:Baseada na lei psicológica ou moral,sendo a asserção verdadeira no maior número de casos.Ex:’’A mãe ama seus filhos’’.

 

Quanto ao modo de obte-la

a)Imediata ou mediata:

Imediata se adquirida do primeiro exame do objeito,Mediata se adquirida por demonstração.

b)Intrínseca ou extrínseca:Intrínseca se resulta da visão do próprio objeto,extrínseca se provém da autoridade de alguém que viu o objeto.

Todas as asserções históricas apresentam apenas certeza extrínseca.

Quanto à perfeição

3232132

O ERRO

Pode ser definido como a não conformidade do juízo com as coisas.

A diferença entre  o erro e a ignorância é que a ignorância consiste em não saber e não afirmar ,enquanto o erro não sabe e afirma,crendo saber.

Causas do erro

O erro pode ter causas lógicas e morais.

a)Causas lógicas:Decorrem da fraqueza natural da inteligência(falta de atenção,memória,penetração,etc,,).

b)Causas morais:São três as principais:

a)Vaidade:Quando nos fiamos demais em nossas luzes pessoais.

b)Interesse:Que é quando preferimos as asserções que nos são favoráveis.

c)Preguiça:Por causa da preguiça,fugimos do trabalho e da informação necessárias,aceitando sem controle as informações.

Remédios contra o erro

Como as causas de erro tem causas lógicas e morais,nada mais natural que os meios para combate-lo sejam da mesma natureza.

a)Remédios lógicos:’’Higiene intelectual’’.Desenvolver a retidão da inteligência pela aplicação metódica de regras lógica,além do controle da imaginação e do desenvolvimento da memória.

b)Remédios morais:Consiste em cultivar o amor pela verdade.Desconfiar de nós mesmos,julgar com imparcialidade,proceder com paciência e perseverança na busca da verdade.

Art II-Os sofismas

A.NOÇÕES GERAIS

Sofisma é o raciocínio errado que se apresenta com as aparências de verdade.

Se cometido de boa fé é chamado de paralogismo.

Divisão

Os sofismas podem ser sofismas de palavras ou de ideias.

B.SOFISMAS DE PALAVRAS

Baseiam-se sobre a aparente identidade de algumas palavras:

a)Equívoco:Consiste em tomar uma mesma palavra,em sentidos diferentes.Ex:

23213213213

b)Confusão entre sentido composto e sentido dividido :

Ocorre quando se reúne no discurso de modo coletivo,aquilo que está dividido na realidade,ou ainda,quando se divide no discurso(toma-se separadamente) aquilo que na realidade é apenas um.

Ex:

24343465

c)Metáfora:Consiste em tomar a figura pela realidade.

C.SOFISMAS DE IDÉIAS OU DE COISAS

Provém da ideia e incidem sobre as coisas.

Dividem-se em sofismas de indução e sofismas de dedução.

Sofismas de indução

86585654

Sofismas de dedução

TONGTONG

D.REFUTAÇÃO DOS SOFISMAS

BABYBABY

Art III-Critério da certeza

A.NATUREZA DO CRITÉRIO

Definição

Critério é o sinal graças ao qual se reconhece uma coisa e se a distingue de todas as outras.

Critério da verdade:Sinal por meio de qual reconhecemos a verdade e nos permite afirme que ‘’isto é verdadeiro,isso é falso’’.

O critério supremo

Existem critérios particulares como os critérios históricos,matemáticos,morais,etc..,e existe o critério supremo da verdade e da certeza,sinal distintivo de toda espécie de verdade,que não supõe nenhum outro e aos quais os outros critérios se subordinam.Constitui-se no motivo ultimo de qualquer certeza.

 

B.A evidência

O critério supremo da verdade de que falamos acima é a evidência.

Ela é o motivo ultimo de toda a certeza.

 

Natureza da evidência

Evidência é a plena clareza com a qual a verdade se impõe a adesão da inteligência.

BIRULAIBE

A evidência é o motivo supremo da certeza

Tudo que é evidente é necessariamente verdadeiro,e tudo que é verdadeiro é necessariamente evidente.

Isso é provado:

a)Pela natureza da evidência:O critério da verdade trata daquilo que é necessário e suficiente para a inteligência dar o seu assentimento.

b)Pelos caracteres da evidência:

Sem título

c)Tudo que é verdadeiro  e só o que é verdadeiro é evidente:Só a verdade tem o caráter essencial de poder ser discernida do erro.

CAPÍTULO 2: DO MÉTODO EM GERAL

Art I-Noções gerais

A.NATUREZA E IMPORTÂNCIA 

Método é ‘’A ordem que se há de impor aos diversos passos necessários para atingir um fim dado’’.

B.DIVISÃO

Entre os diferentes métodos, os principais são:

a)Método de invenção e método de ensino

A invenção se faz mais frequentemente por indução(análise),enquanto o ensino tem por característica proceder por dedução(Sintese).No entanto uma e outra operação podem ser usadas na invenção e no ensino:

b)Método da autoridade e método cientifico

O método da autoridade é baseado no valor intelectual ou moral daquele que propõe certa doutrina ou ideia.É método obrigatório em matéria de fé.

Este método recorre a razão,demonstrando que as verdade a se crer estão obedecendo á força da verdade(Evidência extrínseca).Posto deste modo,pode ter valor cientifico.

No entanto ao se falar de autoridade humana,este método pode levar a estagnação da ciência e cair no erro de conferir uma infalibilidade que as autoridades humanas não tem.No entanto,podemos se servir da autoridade humana para ‘’guiar a indagação ou confirmar asserções demonstradas segundo as exigências cientificas.

Para Santo Tomás,O argumento da autoridade é o mais fraco de todos.

O método cientifico é aquele que procede por meio de demonstração e recorre a evidencia extrínseca.

c)Método experimental e método racional

Método experimental é aquele que se apoia sobre os fatos da experiência e tem por critério a verificação pelos fatos da experiência sensível.

O método racional procede em razão de exigências lógicas e racionais.Utiliza-se dos processos de indução e dedução.

Método empirico-racional parte da experiência sensível,visando chegar as realidades inteligíveis,e para isso se utiliza da indução, dedução e raciocínio.

d)Métodos de construção e sistematização:organizam o saber em sistemas ou teorias.

Art II-Processos gerais do método

A

DEMOSTRAÇÃO

A demonstração é todo aquele raciocínio que se baseia em princípios certos e conduz a conclusões certas.

É o silogismo do necessário,ou seja,silogismos compostos de proposições necessárias.

Espécies de demonstração

a)Racional ou experimental

A demonstração racional se apoia em juízos analíticos e as experimentais  sobre os juízos sintéticos.

B

b)Direta ou indireta

Direta se vai diretamente a conclusão,indireta se faz rodeios,como por exemplo,a demonstração por absurdo.

c)Absoluta ou ad hominem

Absoluta se basta-se a si mesma e  vale para todas as inteligências,ad hominem se parte de princípios admitidos por aquele a quem se dirige,afim de faze-lo admitir uma conclusão ou tese.

d)Dedutiva ou indutiva

Princípios da demonstração

A demonstração possui princípios formais e materiais:

a)Princípios formais:Para ser valida a demonstração deve respeitar os primeiros princípios e as leis fundamentais do ser:principio da identidade,da contradição,principio da razão suficiente.

b)Princípios materiais:Cada ciência particular possui princípios próprios,que enunciam a natureza de seu objeto e suas demonstrações (definições ) e com os quais as demonstrações devem estar de acordo(postulados).

Os postulados não são demonstráveis por definição.

ANALISE E SINTESE

Noção

A analise ou divisão:Operaçao que permite discernir em um todo complexo,o que é essencial e o que é acidental.É uma divisão física ou metafísica.

Síntese é a composição que consiste em ir das partes ao todo,como a passagem do simples ao complexo.É uma composição física ou metafísica.

Espécies

A análise e a síntese podem ser:

C

CAPÍTULO 3: A CIÊNCIA E AS CIÊNCIAS

Art I-Noção de ciência

Ciência é:

a)Objetivamente:É o conjunto de verdades certas e logicamente encadeadas entre si.

b)Subjetivamente:É o conhecimento certo das coisas pelas suas causas ou leis.

 

Ciência de explicação e ciências de constatação

Ciências de explicação:É a ciência do porque.São ordenadas a determinar a causa ou a razão daquilo que cada coisa é.Incidem sobre a essência das coisas.Levam a formulação de leis metafísicas,físicas ou morais.

Ciência de constatação :É a ciência do como.Aplicam-se a determinar leis segundo as quais diferentes fenômenos se encontra associados.Nestas ciências a ideia de causa se reduz a ideia de fenômeno.

 

Ciências especulativas e ciências práticas

Ciências especulativas:Visa o saber pelo saber.

Ciências práticas:Visa o conhecimento das coisas ou atos a produzir,enquanto tais.

Podem ser:

Expeculativas:Versam sobre os princípios da ação.Ex:Moral,medicina teórica

Ciências praticamente práticas:Versam sobre casos concretos e singulares.Ex:Casuística moral,medicina prática.

Art II-Origem e fim da ciência.Espírito cientifico

Algumas teorias foram propostas sobre a origem da ciência entre elas:

  1. Lei dos três estados:Formulada por Comte.Afirma que o pensamento humano teria passado por três estados sucessivos:

Estado teológico:O homem representa os fenômenos como produzidos pela ação direta e contínua de agentes naturais,cuja intervenção arbitrária explica todas as anomalias aparentes no universo.

Estado Metafísico:Os fenômenos seria produzidos por entidades como a leveza,a gravidade,o horror do vácuo,o lugar natural,etc..

Estado positivo:Caracterizado pela pesquisa das leis dos fenômenos e suas relações,sem preocupação em determinar a causa intima dos fenômenos.

Essas teorias não possuem base histórica,e o que verificamos de fato é a coexistência dos três estados.Muito menos se pode supor a passagem do pensamento teológico ao postivo,visto que são formas distintas de explicação,que não se situam no mesmo plano.

 

b)Teoria mágica:Propõe que o nascimento da ciência advém da magia primitiva,na qual o homem acreditava possuir poder sobre as coisas e acontecimentos.

Foi proposta por Comte e retomada e defendida por James Frazer.

Essa teoria afirma que a magia foi a forma primeira do determinismo universal,pois acreditava que as causas (ritos,feitiços) se sucedia um efeito necessariamente.

Afirma também que os fins da magia e da ciência são os mesmos:dominar a natureza e sujeita-la aos fins desejados pelo homem.

D

c)Teoria biológica

E

Os fins da ciência

F

O espírito cientifico

A ciência,que é o conhecimento certo das coisas pelas causas ou leis,exige do cientista as seguintes qualidades:

a)Objetividade:É a submissão ao objeto de estudo,removendo todas as preocupações estranhas com interesse pessoal,preconceitos de classe partido ou raça.Requer probidade intelectual e espírito de observação.

b)Rigor:utilizar-se de técnicas de prova e métodos gerais que garantam distinguir o provado do provável.

c)Espirito crítico:É um espírito de liberdade intelectual que permite apreender o sentido do problema e aceita retornar sobre as certezas que pareciam  estar    estabelecidas,admitindo discussões e reservas,estando sempre disposto a modificar suas conclusões .

d)Submissao ao fato sensível

e)Crença no determinismo

Art III-A classificação das ciências

Classificação de Aristóteles:Divididas em:

Ciências teóricas:física,matemática e metafísica.

Ciências práticas:lógica e moral

A

Classificação de Bacon

Ciências da memória:história

Ciências da imaginação:poesia

Ciências da razão:filosofia

A

Classificação de Ampére

B

 Classificação de Comte

Ciências abstratas ou fundamentais:Fisicas e química.

Ciências  concretas ou derivadas:Zoologia,botânica,mineralogia.

As ciências fundamentais para Comte,seriam as verdadeiras ciências podendo ser classificadas assim:

 C

 

CAPÍTULO IV:OS DIFERENTES MÉTODOS

A

Art I-Método da matemática

A.DEFINIÇÕES

A matemática é o estudo da quantidade dos corpos feita a abstração de suas natureza.

Existem basicamente dois tipos de quantidade:

Quantidade descontinua:Possui as partes separadas e forma um número.

Quantidade contínua:Possuem as partes unidas entre si,de modo que a extremidade de uma é o começo da outra(extensão ou espaço).

B.DIVISÃO

A matématica divide-se em:

a)Aritmética:Ciência dos números e de suas propriedades.

b)Algebra:Generalização da aritmética.É a ciência das relações gerais dos números representados por letras.

c)Análise:Generalização da álgebra.É a ciência das relações de dependência entre diversas grandezas.

Processos da matemática

A.A NATUREZA DA DEMONSTRAÇÃO MATEMÁTICA

Relações necessárias entre grandezas

Trata-se de descobrir relações existentes entre grandezas diferentes.

Substituição de grandezas

Consiste em substituir uma grandeza por outra por meio de intermediários,afim de chegar a definir qual é a relação entre as duas grandezas.

Baseia-se no axioma que diz:duas quantidades iguais a uma terceira são iguais entre si.

Analise e síntese

A

B.PRINCÍPIOS DE DEMONSTRAÇÃO

Os princípios da demonstração são a definição,os axiomas e os postulados.

Definições

As definições podem ser:

Essenciais:Dão as propriedades de um objeto matemático.

Genéticas:Quando formulam a lei de construção do objeto matemático.

A definição genética é característica da matemática.

Axiomas

Os axiomas são principio imediatamente evidentes,resultantes da aplicação do principio de identidade á ordem da quantidade.

São verdades puramentes formais,das quais se pode deduzir consequências.

Postulados

São proposições que desejam ser admitidas,embora não sejam evidentes nem demonstráveis.São aceitos provisoriamente,devendo sua justificação resultar da constituição de uma ciência que as utiliza.

 

Art II-Métodos das ciências da natureza

Ciências da natureza ou ciências experimentais tem por objeto de estudo os fenômenos do universo material.

Podem ser divididas em:

a)Ciências físico-quimicas:Estudam os fenômenos relacionados com a natureza bruta ou orgânica,compreendendo a física,que estuda a energia sob diferentes formas,a química,que estuda a constituição dos diversos corpos e suas transformações,e a biologia,que dos fenômenos relativos a vida orgânica.

b)Ciências físicas e ciências naturais:Outra classificação possível é classifica-las em ciências físicas (Seriam as ciências puramente experimentais:Física,química,etc..)e ciências naturais(botânica,zoologia,anatomia,etc…)

 

Diferentes fases das ciências experimentais

 

Existem quatro fases na elaboração das ciências da natureza:

Observação:Consiste na aplicação da atenção a um determinado objeto de estudo,afim de bem conhecê-lo.A observação pode requerer o uso de instrumentos mais precisos do que a simples utilização dos sentidos.

Hipótese:Consiste em uma explicação provisória dos fenômenos observados ,com o intuito de se descobrir suas leis de manifestação e encadeamento.

Experimentação:Consiste nos processos utilizados para verificar as hipóteses propostas.

Indução: A indução científica consiste essencialmente em passar, da descoberta de uma relação constante entre dois fenômenos ou duas propriedades, à afirmação de uma relação essencial, e por conseguinte universal e necessária, entre eles dois fenômenos ou propriedades.

 

Art IV-Método das ciências morais

A.Noção de ciências morais

São as ciências que se referem as atividades do homem enquanto ser livre e inteligente.

Considera aquilo que caracteriza o homem enquanto homem,ou seja,a inteligência e a liberdade.

B.Divisão das ciências morais

As ciências morais se dividem em:
a)Ciências morais teóricas:Estuda o homem tal como ele o é,quer coletivamente,quer individualmente.São as ciências da Psicologia,Sociologia,Economia e história.

b)Ciências morais práticas:Definem leis aos quais as atividades humanas devem se conformar.São a moral e a política.

 

Método da história

A.Noção de história

História é o estudo de tudo aquilo que tem um passado,em sentido estrito é o estudo dos fatos do passado que interessam á evolução das sociedades.

Fatos históricos

São singulares marcados por circunstâncias de que se revestiram no espaço e no tempo.

Tipos de documentos históricos

a)Monumentos(Documentos materiais):Inscrições,templos,obras de arte,etc…

b)Escritos(Documentos psicológicos):Anais,histórias,biografias,registros civis,obras literárias.

Outra classificação pode ser feita:

c)Vestígios:Vasos,armas,joias,etc…

d)Testemunhas:Memórias,crônicas,anais,etc…

 Etapas do método histórico

O método histórico compreende três fases:

a)Pesquisa de documentos:Consiste em reunir os documentos que tornam conhecido os fatos passados.

b)Crítica de documentos;Consiste em determinar a autenticidade e integridade dos documentos obtidos.

c)Construção histórica:Consiste em encadear corretamente os fatos históricos obtidos.

 

Método da sociologia

A.Noção de sociologia

A sociologia pode ser definida como a ciência dos fatos formais.Busca definir por meio de método rigoroso as leis que regem a sociedade.

B.O fato social,objeto da sociologia

O objetivo da sociologia é o fato social,porém esta noção não é completamente claro o que este seja.

Do ponto de vista material é evidente que fato social significa a conformidade com princípios e costumes,como regras morais,língua,cultura,etc…

Estes fatos sociais parecem impor sobre o indivíduo certa coerção manifestada pela existência de sanções que podem ser místicas,morais,jurídicas ou satíricas.

1)consciência coletiva

Tentou-se explicar o fato social através da noção de consciência coletiva.Esta é no entanto uma noção mística ,além de contraditória,visto que o conhecimento se opera em nível individual.

2)Constrangimento

Outra tentativa de explicar o fato social é através da coação,conceituada como uma força exterior que obriga adequação do individuo,seja no sentido de obriga-lo ou de proibi-lo.

A principal objeção a esta teoria é que o constrangimento não se dá de modo universal,como exemplo temos a moda ou padrões de beleza que não são aceitos por todos os indivíduos,ou outras convenções sociais do tipo casar e ter filhos,posturas que não são adotadas por muitos indivíduos apesar da pressão social,familiar,etc…

 

B.O MÉTODO DA SOCIOLOGIA

O método utilizado em sociologia é essencialmente indutivo.Utiliza-se da observação direta ou indireta dos fatos sociais,e de experimentação,que limita-se ao estudo dos efeitos de determinada inovação social ou política em determinada sociedade.

A estatística é um importante ferramenta no estudo dos fatos sociais,permitem estabelecer relações de causalidade e coexistência de fatos sociais de naturezas distintas.