Resumo #9-Categorias(Categoriae vel Praedicamenta)-Aristóteles-Parte 7(Final)-O movimento/O ter

 

XIV-O movimento

Há seis espécies de movimento:

Geração;

Corrupção;

Aumento;

Diminuição;

Alteração;

Mudança de lugar;

Todos estes tipos de movimentos são distintos uns dos outros,com exceção da alteração.

Aparentemente, a alteração implica necessariamente os outros tipos de movimento.

Isso é falso, pois, uma afecção produz uma alteração num corpo sem necessariamente produzir aumento,diminuição,ou o que quer que seja.

A mudança admite contrários

De modo geral, o contrário da mudança é a inércia.Porém,cada tipo de movimento comporta um contrário próprio.

A geração é contrária a corrupção,a diminuição ao aumento,e a mudança de lugar ao repouso.

XV-O ter

O verbo ter pode ser compreendido por diversos pontos de vista:

a) hábito, disposição e qualidade.

Ex:Ter um conhecimento ou virtude.

 

b) quantidade

Ex: Um homem tem uma certa altura.

 

c) Quanto ao que se diz a respeito do vestuário.

Ex:O homem tem um casaco.A mulher usa um colar.

 

d)Quanto ao que dizemos que temos como parte do nosso corpo.

Ex: O homem tem dois braços e duas pernas.

 

e)Quanto a possessão.

Ex: Um individuo tem um casa.

 

BIBLIOGRAFIA

ARISTOTELES. Organon, v. 1 (Trad. Pinharanda Gomes). 1ª edição.Lisboa:Guimarães editores LTDA,1985

"Aristotle/praedicamenta/boethius"
http://www.logicmuseum.com/wiki/Authors/Aristotle/praedicamenta/boethius
Online, 09/01/2019 às 21:46
Anúncios

Resumo #9-Categorias(Categoriae vel Praedicamenta)-Aristóteles-Parte 6-O anterior/O simultâneo

XII-O anterior

O anterior pode ser tomado em cinco acepções:

1.Quanto ao tempo:Se afirma que uma coisa é anterior por ser mais velha que outra.

2.Quanto a não reciprocidade: Ocorre quando a ordem do for é fixa, não podendo ser revertida.

Ex: O número 1 é anterior aos 2. Havendo o dois,o um deve existir antes dele.Mas se somente o 1 existe,não se segue naturalmente a existência do 2.

    3. Quanto à ordem, como ocorre notadamente nas artes e no discurso.

Ex: Na gramática, as letras antecedem as sílabas, e no discurso, o prólogo é anterior á narração.

  4.Quando ao melhor e mais estimado

Ex: As pessoas que estimamos estão,de certa forma, antes das demais .

   5.Quanto a reciprocidade e a causa

Ex:Se uma coisa implica na existência de outra,aquilo que é a causa é anterior ao efeito.

 

XIII-O simultâneo

A simultaneidade se diz das coisas que têm geração ao mesmo, mas de modo que uma não seja anterior ou posterior a outra.Tal situação ocorre naturalmente nos recíprocos.

Ex: O dobro e a metade.São termos relativos recíprocos,nenhum é anterior ou posterior ao outro.

Outro caso de simultaneidade ocorre também nas espécies que se opõe dentro de um mesmo gênero.

 

 

BIBLIOGRAFIA

ARISTOTELES. Organon, v. 1 (Trad. Pinharanda Gomes). 1ª edição.Lisboa:Guimarães editores LTDA,1985

"Aristotle/praedicamenta/boethius"
http://www.logicmuseum.com/wiki/Authors/Aristotle/praedicamenta/boethius
Online, 09/01/2019 às 21:46

Resumo #9-Categorias(Categoriae vel Praedicamenta)-Aristóteles-Parte 5-Ação e paixão/Os opostos

IX-Ação e paixão

A ação e a paixão admitem os contrários.

Ex: Aquecer é o contrário de arrefecer, e ser aquecido é o contrario de ser arrefecido.

Estas categorias também são suscetíveis de mais e de menos.

Ex: Algo pode ser aquecido ou arrefecido em um grau maior ou menor.

X- Os opostos

A oposição de dois termos pode ser entendida em quatro sentidos:

a) Oposição de relativos (correlativos)

Os opostos relativos são aqueles que são ditos ou se referem a seu oposto. Sua característica é serem ditos de outras coisas e manter com elas uma relação recíproca.

O dobro é dito sempre de outra coisa, pois, o dobro, é dobro de algo.

Ex: Termos como o dobro e metade.

b) Oposição de contrários

Os opostos contrários entre si, não têm uma relação de dependência uns dos outros.

Ex: Termos como bem e mal.

Se os contrários são tais que estão naturalmente presentes em um sujeito, estes não têm intermediários.

Ex: A doença e a saúde estão presentes necessariamente no corpo de um animal. Ou se está doente,ou não,de modo que não há um meio termo.

Se os contrários não estão necessariamente contidos no sujeito, sempre apresentam intermediários.

Ex: O preto e o branco não pertencem necessariamente a um corpo. há meio termo entre preto e branco,o cinza.

Alguns intermediários recebem nomes

Ex: O cinza, intermediário entre o branco e o preto.

Outros,no entanto,dificilmente recebem nomes,sendo definidos pela negação dos extremos:

Ex: O que não é nem bom, nem mau.

c) Opostos privativos (Privação á possessão)

Ex: Termos como a cegueira em relação à visão.

1.A privação e a possessão versam sobre o mesmo sujeito.

Ex: Tanto a visão,quanto a cegueira,se afirmam do olho.

2.A privação ocorre na falta de possessão a um sujeito apto  naturalmente a ela

Ex: Alguém só é cego, ou seja, privado de visão, se por natureza deveria possuí-la.

O homem não é privado da faculdade de voar,pois não possui naturalmente esta possessão.

3.Possuir ou estar privado de uma faculdade não é o mesmo que privação ou possessão.

Ex: A cegueira é uma privação, mas estar cego é estar privado,não um privação em si.

4. Privação e possessão não se opõem do mesmo modo que os relativos.

Os relativos se explicam em relação à outra coisa. O mesmo não ocorre com a privação e a possessão.

5.Privação e possessão não se opõem do mesmo modo que os contrários.

6.A mudança recíproca entre possessão e privação é impossível.

Somente é possível passar da possessão a privação,mas o contrário não é possível.

Ex: O cego não recupera a visão,nem o desdentado recebe novos dentes.

d) Opostos contraditórios ( afirmação á negação)

Ex: Termos como sentado e não sentado.

XI- Os opostos (continuação)

  1. O contrário de bem é necessariamente mal.

Ex: O contrário de saúde é doença.

2. O contrário de um mal pode ser tanto um bem quanto um mal.

Ex: A carência é um mal, mas o seu contrário pode ser um mal (o excesso),ou um bem ( a moderação).

3.Nos contrários,não é necessário haver um e outro.

Ex: Se todos as pessoas estão saudáveis,a doença não se faz presente.

4.Os contrários devem estar presentes em um sujeito da mesma espécie ou gênero.

Ex: A doença e a saúde estão na natureza do corpo do animal.

5.Os pares de contrários devem pertencer ou ao mesmo gênero, a gêneros contrários,ou ser um gênero.

Ex: O branco e o preto pertencem ao gênero da cor.

Justiça e injustiça são gêneros contrários.A primeira pertence ao gênero da virtude e a segunda,do vicio.O bem e o mal são eles próprios gêneros.

 

 

 

BIBLIOGRAFIA

ARISTOTELES. Organon, v. 1 (Trad. Pinharanda Gomes). 1ª edição.Lisboa:Guimarães editores LTDA,1985

"Aristotle/praedicamenta/boethius"
http://www.logicmuseum.com/wiki/Authors/Aristotle/praedicamenta/boethius
Online, 09/01/2019 às 21:46

 

Resumo #9-Categorias(Categoriae vel Praedicamenta)-Aristóteles-Parte 4-A qualidade

VIII-A qualidade

Qualidade é aquilo em virtude de que algo é dito qual ou tal.

A qualidade pode ser entendida em diferentes acepções:

a) Habito e disposição

O hábito é uma qualidade mais durável e estável do que a simples disposição.

Ex: A inteligência e as virtudes, dado que estas são menos susceptíveis de mudanças bruscas.

As disposições podem ser rapidamente alteradas.

Ex: Calor e frio: Um corpo quente pode se tornar rapidamente frio, e vice versa.

Saúde e doença. Um indivíduo saudável pode desenvolver rapidamente uma enfermidade.

1) A disposição pode,ao se tornar natural,virar um hábito.

2) Os hábitos são disposições, mas as disposições não são necessariamente hábitos.

b) Qualidade segundo a potência ou impotência natural

A qualidade, tomada nesta acepção, não qualidade em virtude de certa disposição, mas em decorrência de uma potencia ou impotência para levar uma coisa a termo.

Ex: Os bons lutadores possuem uma potência natural para realizar certos exercícios com facilidade.

A pessoa saldava têm uma potência natural para reagir às doenças, e a pessoas doentes carece desta mesma potência.

c) As paixões e afeições

Nas qualidades tomadas nesta acepção, os sujeitos que as possuem são ditos que têm esta ou aquela qualidade.

Ex: O mel é dito doce por conter a doçura. Um corpo é dito branco por conter a brancura.

A qualidade afetiva não afeta necessariamente o sujeito, nem produzem neles alguma mutação, ainda que sejam capazes de produzir modificações das sensações.

Ex: A doçura produzir a modificação do gosto, e o calor, a modificação do tato.

A figura e a forma

É a forma que pertence a um objeto.

Ex: Uma forma retilínea, curva, etc.

As qualidades e os qualificados

Os qualificados são aquelas coisas que se denominam segundo as qualidades.

Geralmente, o nome do qualificado é derivado da qualidade que o qualifica.

Ex: A brancura (Qualidade) dá o nome ao branco (Qualificado).

Exceção se faz para as qualidades que não possuem nomes. Nestes casos, é impossível derivar-lhe um nome a partir das qualidades.

Ex: O corredor e o lutador são nomeados em virtude de uma potência natural. Seus nomes não derivam de uma qualidade, dado que não há um nome para nomear as potências que lhes dão a qualificação de corredor e lutador.

Outro caso possível é aquele no qual, mesmo havendo um nome para uma qualidade, a coisa por ela qualificada não recebe o nome derivado desta.

Ex: O homem é honesto. A honestidade está em função da qualidade da virtude.É em função da virtude que um homem é qualificado como honesto.

PROPRIEDADES DA QUALIDADE

  • As qualidades admitem contrários

Ex: Justiça é o contrário de injustiça, negrura é o contrário de brancura, etc.

No entanto, algumas qualidades não admitem contrários.

Ex: Vermelho, amarelo, etc. Não possuem contrários.

Se um dos contrários for uma qualidade, o outro também será.

Ex: Se justiça é uma qualidade, injustiça também será uma qualidade, e nenhuma outra categoria convirá à injustiça.

  • As qualidades admitem mais e menos

Ex: Uma coisa branca pode ser mais ou menos branca do que outra.

Uma qualidade pode assumir um grau maior do que antes

Ex: Algo branco pode se tornar ainda mais branco.

  • Nem todas as qualidades admitem mais ou menos

Qualidades que tenham relação com figura ou a forma, como o triangular e círculo, não admitem variação em grau.

Ex: Não se pode dizer que um triângulo é mais triangulo ou mais círculo que outro.

 

BIBLIOGRAFIA

ARISTOTELES. Organon, v. 1 (Trad. Pinharanda Gomes). 1ª edição.Lisboa:Guimarães editores LTDA,1985

"Aristotle/praedicamenta/boethius"
http://www.logicmuseum.com/wiki/Authors/Aristotle/praedicamenta/boethius
Online, 09/01/2019 às 21:46
da Fonseca, Pedro (1575). Institutionum Dialecticarum Libro Octo. Apud Ioannem Barrerium.Lib II,Caput XII
ARISTOTLE, & PACE, G. (1967). Aristotlelous Organon = Aristotelis Stagiritae peripateticorum principis organum : hoc est, libri omnes ad Logicam pertinentes, Graece et Latine. Frankfurt/Main, Minerva.

Resumo #9-Categorias(Categoriae vel Praedicamenta)-Aristóteles-Parte 3-A relação

VII-A relação

Relativas são as coisas que tem estão na dependência de outras, ou seja, são termos no qual a substância depende ou se refere à outra.

Ex:Um monte é alto comparado a outro.

PROPRIEDADES DA RELAÇÃO

  • Às vezes, os relativos admitem contrários.

Ex: Virtude é o contrário de vício. Sabedoria é o contrário de ignorância.

Nem todos os relativos admitem contrários:

Ex:O dobro,o triplo,etc. não admitem contrários.

 

  • Os relativos admitem o mais e o menos

Existe certa gradação entre o semelhante e o dessemelhante.

Porém,nem todos os relativos admitem mais e menos

Ex: O dobro,o triplo,etc. não admitem gradação.

 

  • Todos os relativos têm seus correlativos

Ex: O escravo é escravo do senhor,e o senhor é senhor do escravo.

O dobro é o dobro da metade, e a metade é metade do dobro.

 

  • Os correlativos tem simultaneidade natural.

Ex: Existe simultaneidade entre dobro e metade. Se há metade,há dobro.

Os correlativos anulam-se reciprocamente:

Ex: Se não há metade, não há dobro.

 

 

Bibliografia

ARISTOTELES. Organon, v. 1 (Trad. Pinharanda Gomes).1ª edição.Lisboa:Guimarães editores LTDA,1985

"Aristotle/praedicamenta/boethius"
http://www.logicmuseum.com/wiki/Authors/Aristotle/praedicamenta/boethius
Online, 09/01/2019 às 21:46 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Resumo #9-Categorias(Categoriae vel Praedicamenta)-Aristóteles-Parte 2-A quantidade

VI-A quantidade

A quantidade pode ser classificada em contínua e discreta.

Quantidade contínua(continuum) é aquela que assume qualquer valor em uma reta real,Como exemplo, temos o número e a oração.

Quantidade discreta(discretum)  é aquela que só pode assumir alguns valores,como exemplo ,temos a linha,a superfície e o sólido.

Algumas quantidades são formadas por partes que tem uma posição relativa em relação a outras partes, enquanto outras não mantêm uma posição relativa entre as partes.

Quantidade discreta

  • Não há um limite comum em que as partes de um número se possa unir.

Ex: Cinco e cinco fazem dez,mas estes dois cincos não tem um limite comum:Eles estão separados,as partes permanecem distintas umas das outras,por não haver um limite comum entre estas as partes.

Por este motivo, o número é uma quantidade discreta.

O mesmo vale para oração, pois não há um limite comum á união das sílabas, permanecendo cada uma distinta das demais.

Quantidade contínua

A linha é uma quantidade contínua, dado que possui um limite comum: o ponto.

Do mesmo modo, o plano possui por limite comum a linha, e o sólido possui o plano ou a linha por limite comum.

O tempo também é uma quantidade contínua. Passado, presente e futuro formam um todo contínuo.

O espaço também se inclui nesta classe de quantidades, visto que possui limite comum, que são os mesmo do sólido.

  • Existem quantidades que possuem partes que têm posição relativa e quantidade que não possuem partes.

Ex: As partes de uma linha tem uma posição relativa a outras partes, de modo que podemos distinguir a posição de cada uma.O mesmo é verdadeiro para o sólido e para o plano.

No entanto,no caso dos números não é possível constatar a posição relativa e declarar quais partes são contíguas.O mesmo ocorre no caso do tempo,pois nenhum instante possui uma existência permanente.

Tanto os números quanto o tempo possuem uma sucessão ou ordem relativa, visto que cada número ou instante são anteriores uns aos outros.

  • Distingui-se quantidade por essência de qualidade por acidente

 

As categorias de quantidade que vimos anteriormente são as únicas que pertencem propriamente a categoria de quantidade.Tudo o mais que assim se apresentar será somente por acidente.

Ex: O branco é grande. Queremos dizer com isso que, a superfície do objeto que possui a cor branca é grande.

Outro exemplo:Se falarmos que determinada ação é longa,queremos dizer que o tempo que se leva para realizar tal ação é longo.

 PROPRIEDADES DA QUANTIDADE  

1 ) A quantidade não tem contrário.

Ex: Dois côvados não têm contrário.

Pode-se argumentar que muito é contrário de pouco.

No entanto, Muito e pouco, grande e pequeno, expressam relações e não quantidade.

Em si mesma,uma coisa não pode ser considerada grande ou pequena,somente em relação a outra coisa é que se pode afirmar que algo é grande ou pequeno.

2)A quantidade não é susceptível de receber mais ou menos

Ex:Dois côvados de comprimento não podem ser mais ou menos que dois côvados.O número três não pode ser maior ou menor do que outro número três.

No entanto, podemos afirmar que uma quantidade é igual ou desigual à outra.

Ex: O número três é igual a outro três, mas diferente de um cinco.

 

 

 

Bibliografia

ARISTOTELES. Organon, v. 1 (Trad. Pinharanda Gomes).1ª edição.Lisboa:Guimarães editores LTDA,1985

"Aristotle/praedicamenta/boethius"
http://www.logicmuseum.com/wiki/Authors/Aristotle/praedicamenta/boethius
Online, 09/01/2019 às 21:46

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Resumo #9-Categorias(Categoriae vel Praedicamenta)-Aristóteles-Parte 1

aristotlesmallersem título
I-Homônimos, Sinônimos e parônimos.

Homônimo (Aequivoca): São os nomes que só tem em comum o nome, embora a noção da essência seja distinta. Neste caso, são aplicados em sentidos diferentes para diferentes sujeitos.

Ex:Um homem e um homem em uma pintura.

Sinônimos (Univoca): O mesmo nome apresenta o mesmo significado e mesma definição aplicada a sujeitos distintos.

Ex: A palavra animal pode ser aplicada univocamente a homem e boi.

Parônimos (Denominativa):São nomes derivados de outros nomes.

Ex: A palavra gramático é derivada de gramática.

 

II – Combinação de palavras: Sujeito e Predicado

Palavras podem aparecer combinadas (secundum complexionem) com outras (‘’O homem corre’’, ’’O homem vence’’,etc.),ou não combinadas( sine complexione) como homem,boi,corre,vence,etc..

Nas palavras não combinadas é possível:

  1. Predicar algo de um sujeito, ainda que não se ache em nenhum sujeito.

Ex: Predicar Homem deste ou daquele Homem.

2.Estar em um sujeito, sem ser predicados de qualquer sujeito.

Ex: O saber gramatical se encontra na mente do sujeito,mas não se pode dizer do sujeito,a brancura existe no sujeito,mas não se pode afirmar de nenhum sujeito.

3. Afirmar algo simultaneamente de um sujeito e um sujeito

Ex : O  saber  é  em  um  sujeito,  também na  mente  e,  por  outro  lado,  afirma-se  também de um  sujeito , a gramática.

4.Não ser nem em um sujeito,nem predicada a um sujeito.

Não se pode predicar do sujeito o que é de natureza una e individual.

 

III-Os predicados

Tudo o que se predica do predicado predica-se do sujeito.

Ex: Homem é predicado de homem individual e de animal. É possível predicar ambos os termos ao termo Homem, pois este é ambas as coisas.

Os gêneros podem ser heterogêneos (não subordinados) ou subordinados uns aos outros.

Nos gêneros não subordinados as diferenças serão especificamente distintas.

Ex: Tomando os termos animal e sabedoria temos pedestre,bípede,alado,aquático,etc. como diferenças próprias do gênero animal.No entanto,estas diferenças não são diferenças de sabedoria,pois não há subordinação entre os dois termos.

Nos gêneros subordinados os gêneros superiores são predicados dos inferiores. Assim, as diferenças do predicado serão as mesmas do sujeito.

 

IV-Categorias ou predicamentos

Expressões ou palavras que não se encontram de forma alguma compostas podem ser classificadas em:

O que-Substância

Ex: Homem,Cavalo

O quanto- Quantidade

Ex: Dois côvados de largura

O como- Qualidade

Ex: Branco

Com que se relaciona- Relação

Ex: O dobro,metade,maior,etc..

Onde está-Lugar

Ex:No liceu,no mercado,etc..

Quando-Tempo

Ex: Ontem, o ano passado, etc.

Como está-Estado

Ex: Deitado, sentado, etc.

Em que circunstância- Hábito

Ex: Calçado, armado.

Atividade-Ação

Ex: Cortar, queimar etc.

Passividade-Paixão

Ex: É cortado, é queimado.

Nenhuma destas categorias é afirmativa ou negativa. Somente ao se combinarem podem ser consideradas verdadeiras ou falsas.

 

V-A substância

Substância é o que não se predica de um sujeito nem está em um sujeito.

Ex:Homem,Cavalo,etc.

A substância pode ser:

  1. a) Substância primeira (Substantia prima):É a substância no seu sentido mais fundamental,ou seja,trata-se de seres ou indivíduos particulares.
  2. b) Substância segunda (Substantia secunda):São espécies em que se incluem as substancias primeiras,ou gêneros que contem as espécies.

Ex: O Homem está contido na espécie homem.

Por sua vez, a espécie homem está contida no gênero animal.

 

PROPRIEDADES DA SUBSTÂNCIA

  • O predicado deve ser afirmado do sujeito, nome, ou definição.

Ex: homem é predicado de um sujeito,o homem individual.A espécie homem é predicada de cada individuo particular.

Sobre as coisas que estão presentes em um sujeito,nem o nome,nem a definição são predicáveis do sujeito.

  • Em alguns casos, no entanto,somente o nome, mas não a definição poderão ser predicados do sujeito.

Ex: A cor branca pertence a um sujeito,portanto pode ser predicada de um sujeito:Fulano é branco.

Porém, a definição de brancura não pode ser predicada. Fulano não é a definição de brancura.

-Tudo,com exceção das substâncias primárias é predicável de uma substância primária ou é está presente em uma.

Ex: Animal se predica de homem e portanto do homem individual.Se assim não fosse,este termo não poderia ser predicado da espécie homem.

  •  Nas substâncias segundas,a espécie é mais substância que do que o gênero.

Assim é, pois, as espécies se encontram mais próximo da substância primeira, enquanto os gêneros permanecem mais distantes.

Ex: Quando nos perguntamos o que é tal coisa a resposta deve ser a espécie e não o gênero.Ao perguntar o que é determinado homem,é mais correto dizer que é homem(espécie) do que animal(gênero).

Outro exemplo:

Se for perguntado à natureza de uma arvore (macieira, pitangueira), é mais correto e explicativo dizer que é uma arvore (espécie) do que dizer que é um vegetal (gênero).

  •   As substâncias primeiras,sendo subjacentes a todas as demais(substancia por         excelência),ou serão predicados ou estarão neles contidos com seu sujeito.

As substancias primeiras estão contidas das demais substâncias. De modo semelhante, as espécies estão contidas nos gêneros.

A relação do sujeito com o predicado é a mesma da espécie com o gênero. Podemos predicar os gêneros das espécies, mas não é possível predicar as espécies dos gêneros.

  •  Nenhuma espécie é mais substância que outra, com exceção daquelas que também são gêneros.

Ex: Não é apropriado chamar homem a um dado homem, do que chamar cavalo a um dado cavalo.

  •   Nenhuma substância primeira é mais substância que outra.

De modo idêntico a questão anterior.

Ex: Um determinado homem não é mais substância do que este ou aquele boi.

  • Só a espécie e a gênero podem ser nomeadas de substancias segundas,pois só elas definem a substância primeira.

Ex: O homem individual é definido de forma própria pela espécie(Homem),do que pelo gênero (animal).

Se utilizarmos de qualquer outra categoria para tentar definir o homem, teríamos uma definição imprópria, como se tentássemos definir o homem por sua cor (O homem é branco),ou por sua ação (O homem corre).

9)As substâncias primeiras podem ser chamadas de substâncias no sentido mais apropriado,pois elas são subjacentes a todas as demais substâncias.

10)A mesma relação que subsiste entre a substância primária e as demais substâncias subsiste entre a espécie e gênero e os demais predicados,pois estes são sujeitos destes.

Ex:Se dizemos que um homem individual é gramático,o predicado se aplica as espécies e ao gênero ao qual pertencem.

11) Característica comum entre as substâncias é nunca estar presente em um sujeito.

Substâncias primárias: não está presente em um sujeito (non esse in subjecto) ,nem é predicado de um sujeito.

Substâncias secundárias: Não se acham no sujeito.

12)Nas substâncias segundas,o nome e a definição são categorias do sujeito.

A propriedade que afirma que as substancias não estão presentes em um sujeito também é correta para as diferenças.

Ex:Pedestre e bípede são predicados da espécie homem.No entanto,percebe-se que ,embora sejam predicados desta espécie, homem não estão presentes nela.

Quando se predica afirmativamente uma diferença,predica-se também sua definição.

Ex:Tomemos o  predicado pedestre tendo como sujeito a espécie homem.A definição do predicado se aplica a espécie.

13)As substâncias segundas e a diferença tem em comum a propriedade de serem sempre predicadas em acepção sinônima.

Todas essas proposições têm por sujeito o individuo ou a espécie.

A substância primária não é predicada de nenhum sujeito.

Na substância secundária a espécie é predicada do indivíduo, e o gênero é predicado tanto da espécie quanto do indivíduo.

De modo semelhante ao gênero,a diferença é predicada da espécie e dos indivíduos.

Conclui-se daí que toda proposição que tem por predicado uma substância segunda ou uma diferença o predicado será sinônimo.

14)Toda substância parece significar o que é individual.

Isto é evidente no caso da substância primária, pois se trata de algo determinado.

Com relação à substância segunda, temos a impressão que ao dizer homem (espécie) e animal (gênero) estamos nos referindo a algo de individual.

No entanto, se analisarmos a questão mais de perto, perceberemos que as substâncias secundárias não são indivíduos, mas uma qualidade em relação a uma substância, tornando a substância qualitativamente diferenciada.

A espécie e o gênero podem ser predicados de uma multidão de sujeitos.Todavia,esta qualificação abrange um campo maior no caso do gênero,pois este abarca um número maior de sujeitos em relação a espécie.

Ex:O termo animal abrange um número maior de seres em relação a homem.

15)As substâncias não têm contrários

Esta propriedade é válida para substâncias,quer primeiras,quer segundas,e também para as demais categorias.

Ex:Qual é o contrário de homem ou de animal?Não há.

Qual é o contrário de 10 metros?Não há do mesmo modo.

16)Parece que nenhuma substância admite variação de grau.

Tomada em si mesma,a substância não admite ser mais ou menos.

Ex:Um homem não pode se tornar mais ou menos homem agora que em outro tempo.

17 )Principal propriedade da substância:Embora esta seja numericamente una e permaneça a mesma,é capaz de receber determinações contrárias.

A substância é capaz de receber a brancura e a negrura,deste modo se vê que pode receber os contrários.

Ex:Um indivíduo,um homem determinado,pode ser algumas vezes branco e outras preto,ou ser bom e algumas vezes mau.

Esta propriedade é exclusiva da substância ,não estando presentes nas demais categorias.

Bibliografia

ARISTOTELES. Organon, v. 1 (Trad. Pinharanda Gomes).1ª edição.Lisboa:Guimarães editores LTDA,1985

"Aristotle/praedicamenta/boethius"
http://www.logicmuseum.com/wiki/Authors/Aristotle/praedicamenta/boethius
Online, 09/01/2019 às 21:46